Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, junho 29, 2006

Almadia bendita

Tantas, tantas vezes te procurei com todo o meu ser
Vertigem, horizonte, tu tão espantosamente infinita
Mas vê tu como um pequeno encontro sem querer
Te fez e te faz real aqui nesta nossa almadia bendita

1 Comments:

  • At sexta-feira, junho 30, 2006 9:28:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Meu Poeta!Amante!Amado!Abençoado!...
    A certeza do encontro se faz no imediatismo da percepção...sempre te amei...antes mesmo de encontra-lo...tenho Kafka por testemunha deste "Processo",era com ele que eu conversava sobre ti...só ele me entendia...eis o que este me dizia:"Não é nescessário sair de casa.Permaneça em sua mesa e ouça.Não apenas ouça,mas espera.Não apenas espera,mas fica sozinha,em silêncio.
    Então o mundo se apresentará desmascarado.Em profundo êxtase se dobrará sobre os teus pés!" (Franz Kafka)
    Vê amante..."ele" estava certo...o mundo deixou cair a máscara...e voce surgiu nesta nossa almadia bendita!!!

     

Enviar um comentário

<< Home