Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, junho 25, 2006

Cedo da vertigem

Quando acordares na margem do sonho
E creio que o farás no cedo da vertigem
Acredita que em ti porei e ponho
Tudo o que desejo e futuro tingem

2 Comments:

  • At segunda-feira, junho 26, 2006 8:23:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Homem!...nem mais sei onde fica a margem do meu sonho,...no encanto dos teus versos,me perco...na doçura do instante,me encontro...na fortaleza da tua palavra acordo!...acôrdo firmado!...não mais dormirei o sono peofundo!

     
  • At segunda-feira, junho 26, 2006 8:31:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Homem...nem mais sei onde fica a margem do meu sonho,...no encanto dos teus versos,me perco...na doçura do instante,me encontro...na fortaleza da tua palavra acordo!...acôrdo firmado!...não mais dormirei o sono profundo!

     

Enviar um comentário

<< Home