Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quarta-feira, junho 21, 2006

A doce linha do horizonte

Doces e trágicos, somos os cruzados do destino
Lutamos com sonhos, não precisamos de quem conte
Um dia, na ponta da saciedade, sem toca nem tino
Encostamo-nos finalmente à doce linha do horizonte