Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, junho 29, 2006

Maré alta

É na maré alta
dos teus seios
que espasmo
o apelo
inexorável
dos sentidos
tensos
como molas

1 Comments:

  • At sexta-feira, junho 30, 2006 11:08:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Venerado Poeta!
    Vem homem meu...explora minhas marés...sorve-as...absorve-as...;
    O mar te fará silêncio,enquanto ti deleitas...O vento calmaria;extasía teus sentidos...meus seios-tua moradia....Nossa Almadia!!!

     

Enviar um comentário

<< Home