Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

terça-feira, junho 20, 2006

O sémen dos poemas de amor

Pega nas minhas palavras
Docemente
Sim, as sentes quentes
Túrgidas
Repara bem
Como as suas veias
Se emproam
Sim, as sentes potentes

Mas quem disse
Que as palavras
Não guardam o sémen
Dos poemas de amor?

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home