Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

sábado, junho 24, 2006

Útero do momento

Quando na vertigem do tempo
Eu te pintar arrepio e flor
Sabe que no útero do momento
Te moldarei sonho e amor

1 Comments:

  • At domingo, junho 25, 2006 10:25:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    homem...qual mulher não sonha com estas tuas mãos?...mesma mão que acaricía o molde dos teus sonhos de amor...exprime sentimentos amarrando letrinhas...extraindo, do útero da vida, uma flor amarela! (recebe...é tua,esta flor amarela)!

     

Enviar um comentário

<< Home