Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

segunda-feira, julho 10, 2006

Acme


Como uma pétala do tempo, doce e leve,
Passas devagar, no perfume do que pedi
Por isso neste em-mim que muito te deve
Me permito o acme de inventar-te aqui

1 Comments:

  • At quarta-feira, julho 12, 2006 8:19:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Meu poeta-Amado Criador!
    Diz-me inventar-me!
    Cativa...obedeço-o;
    No cárcere do teu ser em-mim,
    resistir porque?...no acme das tuas "criações"...faz-me canções...doces canções!
    Desvaneces minha alma...
    desvirginas meu ser em-ti...
    doce e cálida...
    nesta sempre etérea madrugada!!!

     

Enviar um comentário

<< Home