Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, julho 06, 2006

Deixa-me


Deixa-me ser o amanhã do teu ontem
Deixa-me ser o futuro do teu hoje
Deixa-me ser sendo-te neste agora

3 Comments:

  • At sexta-feira, julho 07, 2006 4:34:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    "Ó Poeta,aceito totalmente como verdade tudo o que aqui dissestes;nem os semideuses...nem os demônios ó senhor,compreenderiam o teu clamôr!...cá estou,desprovida de temporalidade em ti...eis-me em ti - agora!...seja-me - sedução!...arrebata-me...ama-me!
    Vem senhor...agora!!!"

     
  • At sexta-feira, julho 07, 2006 9:53:00 da tarde, Anonymous Marcelo Tramontin said…

    encanto...

    Passou o vento dentre os olhos chorosos e caidos de dor.
    Passaram-se as chuvas em rios e parou. Molharam-se as flores, calaram-se as rosas e o medo ficou...insinuações não apagam a sensualidade da pantera de olhos negros que me fascinou.(Anônima essa é para você)

     
  • At domingo, julho 09, 2006 7:38:00 da tarde, Anonymous Marco A Linhares said…

    OH..ANÔNIMA DOS MEUS DIAS ..
    Vem chegando os semi-deuses
    Senhores do tempo
    E os Indutores da sedução
    Quem ganhará?
    O tempo ou a sedução?!!!!
    Se ela conduz a insaciabilidade
    E o tempo à parcimonialidade?

     

Enviar um comentário

<< Home