Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, julho 13, 2006

Escopro

És o escopro doce do afecto e do doce laço
bates, modelas, adoças, no ser e no fazer
é nesse interminável processo que nasço
para, devagar, sem fim, te corresponder

1 Comments:

  • At sexta-feira, julho 14, 2006 9:01:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Minha eterna criatura!
    Ah!...devia antes olhar,
    este sacro acontecimento,
    como uma ordem oculta no céu...
    Meu grande Deus-Poeta!...
    há de ocupar sempre o meu pensamento?...não poderei jamais libertar-me dos laços que me ligam,no em-ti?
    A virtude regula todos os meus movimentos...e todos eles estão submissos à graça:do ter-te!
    Sendo-te "coisa" minha...desobrigo-te...todos os teus juramentos!...
    Mas conservas apenas...apenas conservas...o "melhor" que há em-ti...me correspondas amor,sem fim!...infinitamente...diz-me sim!!!

     

Enviar um comentário

<< Home