Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quarta-feira, julho 19, 2006

Lei

Já viste que nenhuma união tem sentido sem uma desunião? Que nenhum amigo tem sentido sem um inimigo? Nenhuma paz sem uma guerra? Nenhum presente sem um futuro? Nenhum deus sem um ser humano? Nenhuma saudade sem uma presença? Nenhuma alegria sem uma tristeza? Nenhuma fome sem uma saciedade? Nenhuma vida sem uma morte? Nenhuma ponte sem uma porta? Nenhum amor sem ti?

2 Comments:

  • At sábado, julho 22, 2006 7:08:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Amante meu!...Poeta!
    "Hoje,não quero fazer poesia,nenhuma arte...sabe,tenho a mais nobre das artes...aqui dentro,...no sangue,na carne,peito adentro...Amo voce!...tanto,que chega doer!...dói...não sei mais,...se de amor ou saudades demais!...tem um vazio tão grande,...que meu-eu se esvai...e se perde no infinito...como a procura de um mito;...buscando a metade,que o destino...mesmo sabendo ser destino,...somou a outra metade,...para depois,bem mais tarde...de mim aproximar teu "eu"...tão terno,tão "meu"!
    E fazer conhecer...a dor de amar tão pouco...quando o amor é tão grande e louco,...que viver um para para o outro...
    É a maior razão de ser!...eu sou!"

     
  • At domingo, julho 23, 2006 11:22:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    O senhor pode colocar aqui seu email?
    Kate

     

Enviar um comentário

<< Home