Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quarta-feira, julho 12, 2006

Mas agora ficas a saber


Sabes que este poema é um parto de ti? Sabes que no ventre destas exactas palavras vai o eclipse do ontem enquanto te madrugo em novo espasmo táctil e sem perímetro? Sabes que no futuro deste invólucro de mim viaja a sisífica busca de ti? Sabes que cada gesto meu é uma artéria na qual pulsas? Sabes que mobilo cada silhueta da noite com o recheio do em-ti? Sabes que sei que não sabias? Mas agora ficas a saber.

3 Comments:

  • At quinta-feira, julho 13, 2006 7:39:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Homem-Poeta!
    Há de perir-me...todos os dias,amante meu!
    E,bem sabes quando...teu delicioso toque-toca-me!...partes por partes...pétalas por pétalas!
    Vivifica-me então...em cada gozo do entrelaçar em ti;...fundida!dissolvida!embebecida!...sinóptica morte,vem até mim!
    Quantas vezes morremos um no outro?...penetrando-me,...devassando-me!...
    Quantas vezes amante?...em cópula notuna,...seguimos,madrugada a dentro?...e,ainda assim,prosseguimos...
    No além de nós...da própria vida...carne-desejo, somos...estamos...contidos num só espasmo;...clímax!...é neste instante,homem meu...que novamente ...
    O amor morre de amor - em total simonia!!!

     
  • At quinta-feira, julho 13, 2006 10:49:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Lindo lindo lindo poema.
    Kate

     
  • At sexta-feira, julho 14, 2006 4:31:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    ...Desculpa-me...quanto ao meu poema-resposta acima,refaço a segunda frase:..."Há de parir-me...todos os dias,amante meu!"

     

Enviar um comentário

<< Home