Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, julho 02, 2006

Nas pétalas de cada noite


Só ambos sabemos onde fica aquele exacto, arquimédico ponto, aquela espantosa fronteira sem fronteira, lá onde os carangueijos beijam as conchas, o mar ama a areia da praia e nós, febris e jovens, seguimos o exemplo, nas pétalas de cada noite, nos trilhos de cada espanto renovado.

7 Comments:

  • At domingo, julho 02, 2006 11:00:00 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Poeta Amante!...renovada,em meio a doce sonoridade que vem do mar...através do poema...toca a mão!...vê,não existe fronteiras...somos o anti-início...nada existia,antes de ti!...tu sabes..."somos"...o exato momento onde o "nada"ganhou forma - A vida se fêz então!!!

     
  • At segunda-feira, julho 03, 2006 4:41:00 da tarde, Anonymous Katlyn Moura said…

    Caro Poeta,lendo o teu pedido feito abaixo, gostaria que me tirasse uma dúvida. Me indicaram teu site como um veículo do teu trabalho, sendo ele sério e com uma proposta formidável de acordar o amor, quem sabe em nós adormecido, dando um novo colorido à vida, porém a dúvida que me surgiu é se realmente é essa a idéia do site ou se são as pessoas que não estão usando apropriadamente, pois ao ler os comentários feitos, a procura de deixar-te um outro, senti-me constrangida, pois pareceu-me estar defronte a declarações pessoais e íntimas entre o senhor e a leitora anônima

     
  • At segunda-feira, julho 03, 2006 7:34:00 da tarde, Blogger Carlos Serra said…

    Prezada leitora: estou feliz por ter escrito este comentário. Muito obrigado. Olhe, estes “poemas”, bem canhestros, têm apenas uma pretensão: a de serem poemas de amor, odes universais à mulher. Não há uma mulher específica habitando-os. Escolhi a mulher-em-si, acredito que há uma mulher-em-si. Se uma determinada mulher sentiu e sente que os poemas lhe são pessoalmente dedicados, que posso eu fazer senão ficar feliz? Deixe-me pedir-lhe que faça o comentário e me dê o prazer de ficar também feliz…Volte sempre.

     
  • At segunda-feira, julho 03, 2006 8:18:00 da tarde, Anonymous Katlyn Moura said…

    Caro Poeta,
    Não se tratando de uma pessoa específica,sinto-me a vontade para cumprimenta-lo por excelente obra e trabalho.
    Realmente, gostei muito! Continue nos brindando com seus poemas.

     
  • At quarta-feira, julho 05, 2006 7:50:00 da tarde, Anonymous Marcelo Tramontin said…

    Katlyn Moura
    Em relação ao seu cometário um tanto maledicente sobre os escritos da leitora intitulada anônima, resolvi alerta-la de um fato que, ao meu ver desconheces ou pouco intimidade tens."A poesia é livre e absoluta", eu particularmente, como leitor assíduo deste brilhante site, ao contrario de si me extasio ao ler os comentários em forma de poesia - resposta, entre a anônima e possivelmente o poeta porque deveria crucificar tal ato de extrema beleza e lealdade?Onde estar escrito que a exposição da "anônima", faz com que esse site seja menos sério.
    Fala-se muito o amor. o odio e se esquece a "inveja".Sendo que a inveja quando excessiva e portanto mórbida, é um dos piores sentimentos humanos.A vitima ou objeto da inveja está quase sempre imune, que culpa tem de ter certas virtudes, certos méritos causadores de inveja?Q uem quiser que procure esforçar-se, afirmar-se, progredir, amadurecer.Afinal, todos, em hípotese, podem chegar lá.Eu particularmente,tenho uma inveja da fluência das pessoas cultas,da claridade das suas ideias, da estrutura dos seus discursos.Mas essa é a inveja boa,que nos convida a imitação.Da outra, ruinosa,eu corro ás léguas..corro com medo que a sua baba me alcance.E por acaso me atingir, que atinja qualquer parte, menos meus olhos.Preciso muito da luz dos olhos para ler e contemplar as belezas das palavras.Senhora Katlyn deixemos pois, de lado os "falsos moralismos e vamos sim dá mil vivas ao amor,ao poeta, a anônima.Ah! Quiserá ser "eu" o dono desse tão doce e eloquente sentimento;(Anônima,_És linda, quanto lindo são teus versos)

     
  • At quarta-feira, julho 05, 2006 9:12:00 da tarde, Anonymous Pau said…

    Que mulher ñ se identifica em seus poemas?... Você faz cada uma se sentir especial é única, sempre se dirigi a nós como um poeta apaixonado, mais basta te conhecer um pouco pra saber que tens paixão aflorando em tua pele...É lindo ler seus poemas com um culto ao amor,...E como todos os poetas também és incompreendido e sempre haverá aqueles que ñ entenderam seus sentimentos... Mais tais pessoas te reforçado como um completo poeta.
    Bjs meu querido poeta.

     
  • At quinta-feira, julho 06, 2006 8:20:00 da tarde, Anonymous Paula Rejane. said…

    Que mulher ñ se identifica em seus poemas?... Você faz cada uma se sentir especial é única, sempre se dirigi a nós como um poeta apaixonado, mais basta te conhecer um pouco pra saber que tens paixão aflorando em tua pele...É lindo ler seus poemas com um culto ao amor,...E como todos os poetas também és incompreendido e sempre haverá aqueles que ñ entenderam seus sentimentos... Mais tais pessoas te reforçado como um completo poeta.
    Bjs meu querido poeta.

     

Enviar um comentário

<< Home