Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

segunda-feira, julho 10, 2006

Os degraus de ti


Amo ver a manhã subir os degraus de ti. É como se os sonhos te esculpissem dentro de mim e eu me tornasse, súbito, a margem da vertigem.

2 Comments:

  • At terça-feira, julho 11, 2006 6:12:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Poeta Amante!
    Dar-me-eis os versos de um amor santo;...e, já me colocastes em degraus de luz;..."sendo-nos"...não fica pois,a mercê de nenhuma margem;...onde "estou-sou-sendo"...senão em ti mesmo?

     
  • At sexta-feira, julho 14, 2006 9:43:00 da tarde, Anonymous Julio césar ferrasso said…

    Anônima sinto-me atraido por teus versos... pela tua boca que é chave de todos os recados..dos gostos e dos sonhos...você é como uma caixa mágica de todos os meus desejos...diga onde te encontro e irei para teus braços.( seria possivel você passar teu E-mail? não diga não).

     

Enviar um comentário

<< Home