Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

terça-feira, julho 25, 2006

Unindo-nos

Quem te disse
Que em ti penso?
Não, jamais te penso
Não, não vou pensar-te
Vou sim e apenas sentir-te
Porque se te pensar divido-te
Se te sentir uno-te unindo-nos

3 Comments:

  • At quarta-feira, julho 26, 2006 6:12:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Amado Poeta meu!
    A princípio apunha-las meu peito,
    ferida,...cambaleio...perdida...
    por entre brumas...chegando por fim
    ao encontro dos lírios...
    na suave brancura,já então vejo...leio...sinto;
    E,bendigo teu nome tres vêzes:
    Oh!amado!
    Oh!amado!
    Oh!amado!
    Toma meus versos de mulher amada,
    faze de mim...o que bem quiseres...
    inteira sempre serei...estarei...
    para que assim me sintas...
    Sendo-nos...Unindo-nos...
    totais e puros!
    tal qual..."os lírios do campo"!!!

     
  • At quinta-feira, julho 27, 2006 1:40:00 da manhã, Blogger CD_Brasil said…

    adorei!

     
  • At domingo, setembro 03, 2006 12:22:00 da tarde, Anonymous ANIT said…

    AMANDO-TE DEMAIS..
    És uma tentador com teu olhar amavél,
    Contém perfeitamente um poco de maldade,
    E o colo que me ondula, o colo inexorável,
    Nao sabe o que é paixao e ignora o que é bondade.
    Quando me julgas presa a eróticas cadeias,
    Radia-te na fronte o ceú das alvoradas,
    E quando choro entao garganteias
    As óperas de verdi mais estimadas.
    Mas eu hei-de afinal seguir-te a toda a parte,
    E um dia quando eu for sombra dos teus passos,
    Tantos crimes terás, que eu hei-de processar-te,
    E enfim hás-de morrer na forca dos meus bracos .!?

     

Enviar um comentário

<< Home