Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, agosto 27, 2006

Búzio de ti

Os búzios são os ouvidos
que o céu me deu
para te trazer para mim
quando a terra me dá a distância

Por isso inventei o mar
que todos os dias me faz presente
em cada búzio de ti
em cada ti de mim

2 Comments:

  • At domingo, agosto 27, 2006 3:54:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Querido Poeta meu,
    Na quietude do acaso
    trago-te da distância
    sem búzios...sem mares
    sigo outra rota
    para no em-ti chegar...encontrar
    nuvens...estrêlas...luas
    pontes aéreas...
    escuridão desta minha morada
    doces madrugadas...
    entre bosques e brumas
    noite após noite
    sou-te porque sou-te
    nada tenho que inventar
    nada há que te apagues
    substituas no em-me...nada há!
    Do pensamento ao coração
    és minha razão?...concentração!
    Se perder-te...perdi-me a mim.
    Sim!
    És razão!

     
  • At segunda-feira, agosto 28, 2006 12:27:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Me sinto previlegiada por apenas...observar e partilhar. Lindo! Tuchamz

     

Enviar um comentário

<< Home