Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, setembro 17, 2006

Maré alta

Cada vez que mergulho nos teus olhos
a dança lânguida das gaivotas
anuncia a chegada densa da maré alta
em cada vaga deste poema
em cada espuma que em ti planto

1 Comments:

  • At segunda-feira, setembro 18, 2006 8:18:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Querido Amor...

    Ao mergulhar em meus olhos
    todo verde que são eles
    perdido ficas...por instantes
    confunde-se campo e mar
    este meu verde olhar
    tão logo te segura
    tão logo te mistura
    aos húmos que nos somos
    plantados...na semeadura
    na vaga...deste teu poemar
    dançam gaivotas por sobre nós
    as marés tambem dançam
    em total cumplicidade...
    enquanto espumas de amor
    adentra-me sutíl e morna
    oh!amante...oh!amante...
    a lãnguidez já se me faz
    desfalecida...deito-me
    na maciez do colo teu
    que me chama...que me acolhe
    me acolhe..me recolhe!

     

Enviar um comentário

<< Home