Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, novembro 23, 2006

Em certo dia do futuro

Disseste-me em certo dia do futuro
quando madrugávamos o sabor quente da manhã
que a tua alma tinha três páginas
a tua, a minha e a que preencheríamos juntos
mas no exacto momento em que comecei a preencher a terceira
nela plantando a adolescência do rio e do canavial
silhuetando a almadia da nossa viagem
por ti esperando no crista da fé
eis que te vejo ancorada na tua página
com a porta definitivamente fechada
para a diagonal cujas pétalas acabam de cair

Na imensidão da savana agora perdida
abandonado pelo embondeiro que restava
viúvo das rolas que não vi
emigro para as lágrimas que chorarei
abraçado ao leito deste momento

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home