Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

sábado, novembro 18, 2006

A gaiola

Naquele dia rigorosamente simples
com a mente lavada dos maus sentimentos
na pureza da manhã apenas acordada
segura do seu acto
firme no seu voo
a gaiola saiu à procura do seu pássaro

Sabes meu amor
da solidão das gaiolas?

1 Comments:

  • At sábado, novembro 18, 2006 11:07:00 da tarde, Anonymous Diva said…

    engracado como as gaiolas me perseguem ao longo da vida. tento fugir da solidao delas mas descobro que nao sao as gaiolas que sao solitarias... somos eu... dentro ou fora delas. Bjs meus

     

Enviar um comentário

<< Home