Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, dezembro 28, 2006

Febre exacta

Sumo de caju fresco nesse sorriso estival
seios rijos como massalas adolescentes
ancas apontadas aos meus sentidos
sabor de rio sem freio pulsando

Assim percutes nos meus quadris
a silhueta da febre exacta
tensa e grande como o embondeiro
que invento na savana imensa

1 Comments:

  • At sexta-feira, dezembro 29, 2006 6:24:00 da manhã, Anonymous Gabi Ninck said…

    Homem,

    A frescura da minha boca
    sumo de caju
    encontra em teu todo
    o sorriso que te faço
    em cada madrugada
    de desejos incontidos
    não é só um esboço traçado
    ato deliberado
    na rigidez destes seios meus
    em ânsia convidam-te
    vem...sorve-os...são teus!
    A febre exata
    agora instalou-se
    em todo corpo meu
    ...quero teus quadrís
    ato de amor fazer
    tocando-me incessante
    nas savanas...
    nas areias...
    nos cantos...
    Canteiros...de um lugar qualquer!
    Vem...faz-me mulher
    intensa...em ti

     

Enviar um comentário

<< Home