Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, janeiro 04, 2007

Quando do nosso futuro engravidares

Reteso esta espera
torno elástico o frémito
esculpo o lado ágil das coisas
oceano agora a busca
travo-mestro-te

Os sentidos apenas crescem
nos actos que te inventarei
quando do nosso futuro engravidares

1 Comments:

  • At sábado, janeiro 06, 2007 7:13:00 da manhã, Anonymous Gabi Ninck said…

    Homem, Homem meu,

    Em nosso futuro
    já estou
    na agilidade das coisas
    que só eu sei
    savana
    presente em que te plantou, semeou
    nesta terra, neste corpo, neste eu
    que te sou
    Nada agora neste futuro hoje
    é desigual
    a síntese de nós dois
    germinou, engravidou o tempo
    sem mesmo percebermos
    a emanação daqueles dias úteis
    em que o embodeiro
    protetor e majestoso
    cobria, deitava
    sob tua força
    a fragilidade dos instantes
    da esteira que jamais pensei deitar

    O fruto do futuro nosso
    já comigo está
    o momento - brâmane - se aproxima
    vamos parir o novo - Nosso!
    Vamos parir o tempo - Nosso!
    Bela parição/criação - Nossa!
    vem prá mim depressa
    fazes tu o nosso parto
    neste mesmo quanto
    fremitava infinito
    desnudando,invadindo,inundando
    meu útero inda vazio
    onde tudo, desejo e prazer
    êxtase supremo na sutileza
    óvulo fecundo de um passado fez
    embrião resultante do ato fez
    feto inaugural deste estado fez
    sítio onde agora estamos
    num tempo que não sei
    neste hoje somos tres
    Eu Tu
    e a Certeza
    do futuro que te sou - somos!
    Esperamo-nos
    grávidos estamos
    nada inventamos
    amamos, amamos, amamos
    amamos o amor
    SOU amor
    em cada vinda TUA

     

Enviar um comentário

<< Home