Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

sábado, março 17, 2007

jovens como lanhos


nesta esteira
filhos das palmeiras
na sura da vida
eis-nos
os amantes
jovens como lanhos

3 Comments:

  • At sábado, março 17, 2007 8:29:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Em suras de vida...
    te escolhi, entre tantos que me queriam
    Em lanho e esteira
    sempre fui inteira
    eterno vai e vem
    amante em te
    em tuas noites... de sol, ou lua
    em teus dias
    em teu tudo...fui...sou..serei...
    sinto-me prisioneira
    das palavras que aqui te faço
    deste amor que tudo invade.
    Vem...
    SOU-TE!!!
    esteira
    RE-AMA-ME!
    RE-CONQUISTA-ME!
    Agora sou eu quem peço-te
    por amor a mim
    por amor a ti
    por amor a nós...
    RE-VIVAMOS querido.

     
  • At domingo, março 18, 2007 9:41:00 da tarde, Blogger Sara said…

    Na sua esteira apenas eu posso deitar-me meu amado Carlos.

     
  • At segunda-feira, março 19, 2007 2:47:00 da tarde, Anonymous Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    Os amantes
    Jovens como argila:
    Moldando-se a cada textura da vida.

    Os amantes
    Jovens como rosa-botão:
    Invadem a alma com o aroma do vermelho.

    Os amantes
    sura e lanho
    esteira e capulana
    Jovens como eu e tu:
    Vertigem e poema infinitos no EU-TU!

     

Enviar um comentário

<< Home