Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, março 29, 2007

serte sem travessão


quando te encostas aos meus sonhos
quando me acaricias os rins do futuro
quando te deitas em cima do que te quero
quando beijas levemente o lado erecto do que sinto
sabe que tudo é afinal apenas uma coisa
a coisa de serte sem travessão
no travessão onde amoramos o amplexo
(escultura de Rodin)

2 Comments:

  • At quinta-feira, março 29, 2007 11:15:00 da tarde, Anonymous Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    As vezes uso o tavessão para ser-te
    porque nele encontro o começo de tudo,
    o lugar onde amoramos o amplexo.

    Em cada tu eu aconchego meus sonhos,
    em cada nós eu acaricio a alma do futuro,
    em cada sou-nos eu beijo o teu querer livre
    em cada senão o encontro da humidade subtil e do erecto prazer.

    Nesse travessão inútil... a utilidade do serte
    Só e presente, igual destino escolhido.
    Soute.

     
  • At sexta-feira, novembro 20, 2009 8:19:00 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Obrigado por Blog intiresny

     

Enviar um comentário

<< Home