Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, maio 27, 2007

adeus meu rio

é quente doce
mas inexorável
a última lágrima que de mim
embarcou no último poente

(adeus meu rio)

2 Comments:

  • At domingo, maio 27, 2007 9:14:00 da tarde, Blogger Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    O adeus ao rio
    é promessa de vazante…
    Todo zambeze conhece
    o final iniciante do ciclo liquido.
    quente,
    doce,
    inexorável...

    A última lágrima que te cai
    é recado dos espiritos das enchentes
    todo o imbondeiro sabe
    o fim do que foi
    o começo do que virá
    poente,
    ávida,
    definida...

    O Inicio do sonho...

    ( como despedir-me de ti se o adeus que me ensinas-te dura apenas até ao amanhecer?)

     
  • At sábado, junho 02, 2007 8:00:00 da tarde, Anonymous Fotografia 3x4 said…

    Amor Amor

    A quentura do meu corpo
    mistura-se a docura desta lágrima
    caindo dos teus olhos que me buscam
    me procuram, neste imenso lago rio
    pensam eles que embarquei no último poente

    olha à tua volta
    vê agora eu?
    estive sempre aqui
    sentada à beira do amanhecer
    esperando o sol nascer
    vigilante deste amor eterno
    para que nunca possas assim dizer
    adeus rio
    onde amamos
    adeus rio onde buscamos
    as madrugadas em doces margens
    esteira em que te fui
    implacável sentimento
    fez tu, nascer em mim.

    (não mais adeus,vê...estou aqui)

    Adoro-te!
    8.13

     

Enviar um comentário

<< Home