Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

sábado, maio 26, 2007

vem deitar-te maria

vem deitar-te maria
eu destapo as estrelas
tu tiras a capulana

na alma desta fogueira
na esteira acolhedora
purificados pela cacimba
sentiremos o nosso rio
uma vez mais
baixo-ventrando as margens
dos nossos sonhos tácteis

1 Comments:

  • At domingo, maio 27, 2007 7:58:00 da tarde, Blogger Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    Nessa esteira de sonhos,
    bordada em cristais imaginados
    entrelaçada em estrelas destapadas
    peça a peça a capulana
    se rende ao chão da vida
    Nua...
    Tua...
    EU!

    Nessa esteira de paixão,
    no calor da fogueira em-ti
    és tu quem me acolhe a alma
    purificada pela cacimba
    tudo acontece na presença
    mais uma vez mais
    Nua...
    Tua...
    EU!

    Nessa esteira acolhedora,
    nossos sonhos tactéis
    são margens sem limites
    no baixo-ventral dos desejos
    instantes são tatuados rios
    sou então silhueta e sonho
    Nua...
    Tua...
    EU-ETERNA!!!

     

Enviar um comentário

<< Home