Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, julho 22, 2007

dialéctica sem fim

é justamente quando não estou contigo
que me sinto estar mais contigo sabes?
porque quando estou contigo estou contigo
(isso tem a simplicidade da sensatez)
mas quando não estou contigo
sei que necessito absolutamente estar contigo
(e isso tem a sensatez da vertigem)
por isso sou este pêndulo tenso e voraz
que oscila entre estar contigo
e não estar contigo para estar contigo

o amor é um rio sabias?
quanto mais estamos onde ele desagua
mais queremos estar onde ele nasce
por isso o amor é essa dialéctica sem fim
esta tensão que visto com as palavras
estas palavras que te fazem rio
este rio que te faz nascente