Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

domingo, julho 22, 2007

dialéctica sem fim

é justamente quando não estou contigo
que me sinto estar mais contigo sabes?
porque quando estou contigo estou contigo
(isso tem a simplicidade da sensatez)
mas quando não estou contigo
sei que necessito absolutamente estar contigo
(e isso tem a sensatez da vertigem)
por isso sou este pêndulo tenso e voraz
que oscila entre estar contigo
e não estar contigo para estar contigo

o amor é um rio sabias?
quanto mais estamos onde ele desagua
mais queremos estar onde ele nasce
por isso o amor é essa dialéctica sem fim
esta tensão que visto com as palavras
estas palavras que te fazem rio
este rio que te faz nascente

2 Comments:

  • At segunda-feira, julho 23, 2007 7:17:00 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Então, já comigo estás de muito, e por todo um sempre:
    SOU-TE!

    Meu amor Rio!

    Adoro-te!
    Amo-te!
    Quero-te!
    Com toda força do meu SER

    No ontem que te faço hoje
    Horizonte em que te encontro
    Quando sonho em realidades vãs
    Onde vejo no espelho
    O reflexo meu desejo
    Toma meu beijo
    Mata minha sede
    E me canta canções
    Para que eu adormeça no em ti
    Nas palavras que não disse
    No sentir que não deixei
    No tanto dos encantos
    Versos de amor
    espalham poeiras finas
    enquanto cintilam estrelas
    Sob o céu das nossas vidas.

    SOU-TE!

    Eternamente,

    8.13

     
  • At segunda-feira, julho 30, 2007 7:26:00 da tarde, Blogger Té la mà Maria - Reus said…

    very very good blog, congratulations
    regard from Catalonia Spain
    thank you

    http://telamamaria.blogspot.com

     

Enviar um comentário

<< Home