Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

quinta-feira, janeiro 03, 2008

das madrugadas que desaguam em ti

Ainda ninguém
soube descrever o meu rio
em toda a sua pujança contida
em toda a sua alma húmida
nem eu vê tu
eu que o criei

mas hoje o descreverei
puro e fálico
é assim completamente:
abotoo os sentidos
para que não saibas
que num lado está o canavial retesado
no outro mas no mesmo
o que em mim provocas
esta líquida e espérmica busca de ti

assim fazem os menestreis savaneiros
quando livres entoam à vida
o canto das coisas grudadas ao espanto
nas madrugadas que desaguam em ti
(posso ainda rever isto)

4 Comments:

  • At quinta-feira, janeiro 03, 2008 9:12:00 da tarde, Blogger micas said…

    Belo hino à paixão

    ...E é a alma e o ventre esvaindo carícias....

     
  • At quinta-feira, janeiro 03, 2008 9:53:00 da tarde, Blogger Ivone Soares said…

    Hum...simplesmente magnífico. Aliás, devo confessar que começa a influenciar-me a sua escrita.
    Coisas dessas não precisam ser descritas...sentem-se.

     
  • At sexta-feira, janeiro 11, 2008 12:19:00 da tarde, Blogger Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    Descrever-te com pujança
    na calma que me mantenho
    torna-me húmida e tua
    pela vida que me doas-te.

    No encontro:
    Venus e falo
    Tu e eu
    estou-te impura e totalmente virgem
    desabotoou
    desabotoou
    desabotoou
    um a um
    todos os sentidos
    sem pudor
    desnuda de vergonha
    esperando apenas…
    que me does a vida liquida
    que de ti jorra a cada palavra
    nascida para crescer em verso.

    Quando me buscas
    é em ti que me encontras
    provocante
    serena
    completa

    Nessa liberdade de ser-me sendo-te
    estou-te infinita
    sonho e verdade
    guardada no espanto
    no lugar de sonho… aquele em que apenas tu sabes me ser vertigem.

    Sabes? É nessas madrugadas em que as deusas parem sonhos e plantam poesia.

     
  • At sexta-feira, janeiro 25, 2008 2:43:00 da tarde, Blogger Ivone Soares said…

    Esta dupla é de fazer delirar...Poeta dos sonhos vertiginosos. Magnífico. Sucessos no amor.

     

Enviar um comentário

<< Home