Diário de um poeta

Aqui, onde os sonhos possuem as madrugadas e seguem em frente no arrepio do destino destes poemas de amor. Fica comigo, porque estou contigo poemando-te. Se por acaso eu não estiver, sabe que sempre estou e te estou. Sou uma vertigem no-em-ti.

terça-feira, janeiro 22, 2008

pendurado na carruagem que não vi

Deito-me à sombra da memória
e estiro ao longo do que ela não é
a saudade de todos aqueles comboios
onde podia ter embarcado
mesmo quando embarquei

a vida é aquela parte da frente
que sempre fica atrás de nós
quando semeamos nas dúvidas
as certezas que tivemos por desleixo

e finalmente erguido e solene
ao último silvo deste comboio
na cumeeira anónima do seu alento de carvão
anexo agora o aceno de adeus que não fiz
pendurado na carruagem que não vi

4 Comments:

  • At quarta-feira, janeiro 23, 2008 12:11:00 da manhã, Blogger Ivone Soares said…

    Irei postar este poema no Meu ser Original ilustre.Espero que não se importe!

     
  • At quinta-feira, janeiro 24, 2008 10:52:00 da tarde, Blogger Ivone Soares said…

    Só aguardo sua autorização. Bjhs

     
  • At sexta-feira, janeiro 25, 2008 12:33:00 da tarde, Blogger Vertigem said…

    Poeta dos meus sonhos,

    Na alma da memória
    rabisco palavras desgastadas
    deitas nos carris das lembranças
    vivências dos vagões da vida.
    sombras… arrastadas em múrmurios.

    Embarco reencarnada na vontade
    sigo sentada na última cadeira do sonho
    da janela… ah… da janela apenas desertos
    vultos arídos que vagueiam em mim.
    Revejo os mesmos caminhos
    aqueles em que me perdi de mim
    poesias que brotam em alta velocidade.

    Na carruagem
    apenas o xaile negro do carvão
    perfumes de morte e saudade
    abismos que acredito ter volta…
    arrependimentos do ser… ausências.
    Na boca o cigarro… estrelas de sangue e brilho.
    fogo de desejos controlados pelo adeus.

    No último apito a despedida… a certeza!
    E com o adeus selo o fim da dor…
    Vou-me…

     
  • At sexta-feira, janeiro 25, 2008 2:38:00 da tarde, Blogger Ivone Soares said…

    Vertigem seus poemas, penso já ter dito, são lindíssimos. Feliz o poeta dos seus sonhos. Felizes nós vossos leitores. Bjokas

     

Enviar um comentário

<< Home